ASSISTA AGORA

  • Dublado BK
  • Dublado WZ
  • Dublado GD
  • Legendado 2B

Assistir Agora Assistir Agora

Assistir Agora Assistir Agora

Assistir Agora Assistir Agora

O Conde

O Conde

Sep. 16, 2023Chile111 Min.R
Sua avaliação: 0
9 0 voto

Sinopse

Augusto Pinochet é um vampiro que quer morrer, mas os abutres ao seu redor querem primeiro uma última mordida. Uma sátira sombria de Pablo Larraín.

Reviews e Crítica sobre O Conde

Todos sabem que o ditador chileno Augusto Pinochet morreu em dezembro de 2006, aos 91 anos, mais de 30 anos depois de ter tomado o poder de Salvador Allende num golpe de Estado que foi seguido de censura, tortura, internamentos em massa e desaparecimentos forçados no prazer de um regime não eleito que drenou o sangue vital do país para as gerações vindouras. O que o atrevido e grotesco “El Conde” (ou “O Conde”) de Pablo Larraín pressupõe é… e se não o fizesse?

Dirigindo-se diretamente a uma figura cuja sombra escura contornou alguns dos trabalhos anteriores do diretor (especificamente “No”, “Post Mortem” e “Tony Manero”), esta sátira sobre a persistência do mal imagina que Pinochet ainda está vivo e forte. Ou, mais precisamente: mortos-vivos e odiando isso. Na concepção de Larraín, Pinochet é um vampiro de 250 anos que desenvolveu seu desejo por sangue pela primeira vez durante a Revolução Francesa, durante a qual ele fetichizou tanto a indiferença de Maria Antonieta para com o homem comum que roubou a cabeça da rainha e lambeu o sangue da guilhotina. que foi usado para cortá-lo. A partir daí, viajou pelo mundo e alimentou-se da opressão onde quer que a encontrasse, acabando por se estabelecer no Chile – “um país sem rei” – quando chegou o momento de orquestrar o seu próprio sofrimento.

Gelado e sombriamente engraçado (com a maior parte do humor do filme decorrente de sua crueldade), “El Conde” é pesado na premissa e leve no enredo. Este é o tipo de peça histórica de alto conceito que extrai o máximo possível de uma única ideia; o tipo de “e se?” selvagem e espirituoso. que invariavelmente tem mais prazer em lançar as bases de sua história do que em colocar qualquer coisa substancial sobre ela. Coisas acontecem, especialmente quando a Igreja Católica despacha uma jovem freira núbil (Paula Luchsinger) para o rancho isolado de Pinochet – parte propriedade de um pastor de ovelhas e parte bunker ao estilo – para cravar uma estaca no coração do maior monstro do Chile, mas o impacto do filme concentra-se no ex-ditador enquanto ele fica deprimido pela casa e lamenta sua própria imortalidade. Como Drácula cantou em “Forgetting Sarah Marshall”: “Die,

Ambientado em 2023, mas filmado por Ed Lachman em um preto e branco lustroso e atemporal que reflete tanto a imortalidade de Pinochet quanto sua negação, “El Conde” sugere que é difícil viver em um mundo onde os livros de história já odeiam você. No momento em que começa, Pinochet perdeu a vontade de esperar pela nossa memória coletiva dele – um fato que enoja o simpático narrador do filme, cuja identidade, revelada com entusiasmo durante o terceiro ato, é tão óbvia desde o início quanto permanece divertidamente sombria. no final.

Interpretado por Jaime Vadell, regular de Larraín, um ator de 87 anos cujo desempenho ágil divide imaculadamente a diferença entre um velho decrépito que depende de seu andador e um ghoul perigoso que ainda consegue se levantar por um pedaço de carne quente (“Eu vou cavalgar você como o cavalo de um bandido!”, grita ele para sua interesseira esposa Lucía, interpretada por Gloria Münchmeyer, do outro lado de uma sala de jantar campestre). Pinochet passa seus dias resmungando para quem quiser ouvir sobre as injustiças que sofreu desde que deixou o cargo. . Ele está bem em ser lembrado como um assassino, mas não suporta o fato de que as pessoas pensam nele como um ladrão.

Na verdade, o orgulhoso fascista está tão farto dessas besteiras que perdeu o apetite de beber até secar as pessoas, o que explica por que seu corpo se tornou uma casca murcha nos últimos meses. Ele não pode mais se preocupar em voar por Santiago como uma espécie de super-homem malvado e comer os trabalhadores e jovens progressistas da cidade, e ele não parece se importar com o fato de seu leal mordomo Fyodor (Alfredo Castro) estar agindo com sua esposa. .

Larraín está ansioso por extrair algum humor mordaz da forma como Pinochet foi levemente libertado dos seus crimes contra a humanidade, mas os descendentes ultra-intitulados do ditador revelam-se avatares insuficientes para o argumento que ele defende sobre os custos ocultos de permitir que o mal escape à justiça. Como seria de esperar de uma sátira em que Pinochet mantém os corações dos seus compatriotas chilenos no congelador da sua cozinha como lanche da meia-noite, “El Conde” não é grande em subtileza (a rica cinematografia de Lachman oferece ao filme os seus únicos tons de cinzento), e por isso parece uma oportunidade perdida o facto de Larraín não ter extraído mais sumo do facto tão relevante de que depor um fascista do poder não é o mesmo que derrotá-lo.

Claro, essa noção é a semente mais básica de um filme de Pinochet ambientado mais de uma década depois que seu personagem realmente morreu, mas “El Conde” – apesar de toda a beleza varrida pelo vento de suas locações áridas e dos detalhes Grimm de seu design de produção interior – está muito preso em casa para que sua maldade floresça mais do que um sorriso irônico. O filme muitas vezes parece uma autoparódia dos igualmente enclausurados “Jackie” e “Spencer” de Larraín, até sua beleza sufocante e trilha sonora barroca (Juan Pablo Ávalo e Marisol García substituem Mica Levi e Jonny Greenwood).

Como uma meditação sobre a natureza eterna da monstruosidade, “El Conde” só ganha vida de verdade através do flerte de Pinochet, eles/não vão, com a jovem freira Carmencita, que chega à fazenda disfarçada de contadora – um disfarce cômico feito a todo custo. menos convincente pelo êxtase religioso que a menina traz para a sua missão. Repleta de devoção de olhos vidrados e enquadrada em close-ups arrebatadores que evocam a maneira como Dreyer filmou Renée Jeanne Falconetti em “A Paixão de Joana d’Arc”, a atuação inteligente de Luchsingers torna difícil dizer se sua personagem tem grandes chances de exorcizando o mundo do mal de Pinochet, ou se ela está prestes a ser seduzida por ele (esta última possibilidade ilustrada através de uma sequência transcendente que faz pleno uso da paisagem patagônica).

Esse pêndulo oscila para os dois lados, à medida que “El Conde” – à sua maneira distorcida – eventualmente começa a flertar com a ideia de que o desejo de Pinochet por Carmencita pode inspirá-lo a expiar seus pecados, ou pelo menos a cometer alguns novos pecados inesperados (“ Não há nada mais horrível do que ver um homem se apaixonar”, zomba o narrador). Mas este não é um filme sobre humanizar um monstro, e nunca pretende ser. Pelo contrário, Larraín é mais compelido pela tendência humana de negar a monstruosidade assim que algo menos aterrorizante surge para nos distrair dela; nossa tendência de pensar que aprendemos a lição, fortalecemos nossas defesas e nos tornamos civilizados demais para sermos vítimas do mesmo tipo de mal novamente. Seus dentes podem não ser afiados o suficiente para romper a pele,

Onde Assistir Filme O Conde 2023?

Aqui você encontrará todos os filmes que podem ser vistos, incluindo o filme O Conde mega filmes. Se você quiser ver algo neste site, saiba que os gêneros que ele abrange incluem Crime, Ação, Ficção Científica, Animação, Romance, Suspense, Comédia, Drama e Séries.

Muito obrigado. Informaremos a todos os que queiram receber notícias ou informações sobre a programação deste ano e como assistir aos seus filmes preferidos. Esperamos poder ser seu melhor parceiro na busca de recomendações para seus filmes favoritos. Atenciosamente!

Obrigado por assistir ao vídeo de hoje.

Espero que tenham gostado do vídeo que compartilhei. Se você gosta do conteúdo que compartilhamos, dê um joinha para sabermos que você gostou ou compartilhe, o que nos deixa ainda mais felizes.

Título Original El Conde Legendado
IMDb Avaliação 6.5 690 votos
TMDb Avaliação 6.563 16 votos
Compartilhado1

Títulos Recomendados

O Fantasma do Teatro
Lovelace
Tony Hawk: Até as Rodinhas Caírem
The Last Mountain
Sorte no Amor
O Último Grande Herói
The Puppetman
The Protégé
Branca Como a Neve
Hey Arnold! Na Selva – O Filme
101 Dálmatas 2
O Escorpião Rei